Telemedicina, ehealth e mhealth: qual a diferença?

20 de dezembro de 2022

Telemedicina, eHealth e mHealth são exemplos de como a tecnologia pode revolucionar o atendimento em clínicas e consultórios. Os três conceitos contribuem para um atendimento à distância, o que facilita o trabalho do médico e amplia o acesso para os pacientes. Entretanto, cada um deles se refere a uma coisa diferente.

Os três tipos de abordagem abrangem diferentes áreas de atendimento, com semelhanças e diferenças. Afinal, qual a diferença entre Telemedicina, eHealth e mHealth?

O que é Telemedicina e qual sua relação com eHealth? 

Telemedicina é uma forma de atuação digital que permite troca de informações, análises à distância e discussão de resultados. Tudo isso de forma completamente remota, o que garante mais praticidade. Uma das grandes vantagens é não precisar do médico especialista presente fisicamente no consultório. Toda prática médica realizada à distância pode ser considerada Telemedicina.

O uso da Telemedicina é muito celebrado, pois ele democratiza o acesso à saúde. Ela garante a dispensa de deslocamentos e abrange áreas fora dos grandes centros urbanos que, normalmente, não tem clínicas suficientes. Outra vantagem é que ela permite que clínicas e consultórios de saúde qualificam seu atendimento. Afinal, a Telemedicina permite que unidades de todos os tamanhos ofereçam diversos exames, mesmo não tendo o equipamento no local. 

A Telemedicina é uma forma prática e segura de trocar conhecimento e preparar ainda mais os profissionais de medicina. Além disso, ela auxilia na geração de laudos online, assim como o monitoramento de pacientes.

As tecnologias de eHealth e mHealth são braços diferentes de uma abordagem que usam a tecnologia como ferramenta de acessibilidade.

O que é eHealth?

Podemos dizer que eHealth é a utilização de tecnologias de informação, com o uso da internet. Inclusive, essa definição é usada pela OMS (Organização Mundial de Saúde). Esses processos são realizados visando oferecer serviços e compartilhar informações importantes. Dessa forma, o eHealth pode atuar a partir da oferta de serviços de saúde por meios digitais e pela divulgação de informações. Igualmente, ambos os casos devem ter a internet como impulsionadora.

Com seu uso, os dados dos pacientes são registrados em programas digitais. Os especialistas envolvidos no atendimento podem ter acesso de forma mais ágil e prática pela internet. O uso desses softwares oferece mais facilidade nas comunicações e facilita a rotina de trabalho.

O eHealth anda lado a lado com a Telemedicina. Afinal, os dois conceitos usam os meios digitais com o mesmo propósito: Levar saúde para todos os lugares.

O uso do eHealth vem ganhando cada vez mais força e credibilidade por conta dos seus resultados. Por isso, cada vez mais países estão planejando estratégias para garantir mais cobertura e atendimento de forma digital.

E o mHealth?

O mHealth, ou mobile health, é uma prática médica que atua por meio de tecnologias digitais, assim como Telemedicina e eHealth. Inclusive, podemos dizer que o mHealth é um braço do eHealth. A diferença é que nele é onde nos referimos aos tipos de ferramentas usadas para a comunicação e troca de informações.

Basicamente, podemos dizer que o mHealth se trata do uso de dispositivos móveis para a prática da saúde. Celulares, tablets, assistentes digitais pessoais e outros equipamentos sem fio são alguns exemplos. Com o mHealth, é possível acompanhar os sinais vitais do paciente e orientar o consumo de medicamentos de forma orientada.

Esse modelo de atendimento também está, cada vez mais, ajudando a prevenir problemas. Por exemplo, podemos dizer que aplicativos de incentivo a exercícios físicos e consumo adequado de água são usos do mHealth.  

Resumindo: Telemedicina é a medicina realizada à distância, com o uso de ferramentas remotas como vídeos, chamadas e programas. Enquanto isso, o uso do eHealth abrange soluções digitais como um todo. Já o mHealth trata das práticas da saúde realizadas em aplicativos e programas que facilitam prevenção de doenças e atendimento.

O que os três conceitos tem em comum e como eles podem facilitar o seu trabalho?

Telemedicina, eHeath e mHealth nos mostram o quanto a tecnologia pode contribuir na busca por mais saúde para todas as pessoas. O uso de tecnologias que garante atendimentos remotos permite que existam aplicativos criados exclusivamente para medir a saúde do paciente. Isso sem falar nos apps que auxiliam milhões de pessoas todos os dias a manterem uma rotina de exercícios ou até monitorarem suas atividades.

Graças a esse olhar para a saúde através do digital, podemos medir a pressão arterial e a frequência cardíaca de um paciente, por exemplo. Avanços que garantem mais saúde de forma prática e acessível para cada vez mais pessoas.

E claro, também é importante dizer que esses avanços também podem trazer diversos benefícios para as clínicas de saúde. Afinal, o uso dessas tecnologias abre um leque ainda maior de exames e procedimentos que podem ser oferecidos. Por fim, com investimentos bem menores do que a compra de equipamentos, já que muitos são realizados de centrais remotas.

Já pensou em como usar o digital para otimizar o atendimento da sua unidade de saúde?

A TME – Telemedicina Cardiológica oferece diversas opções de atuação que podem ajudar sua clínica ou consultório de saúde a darem o próximo passo rumo ao futuro.

Ficou com alguma dúvida sobre como a Telemedicina pode revolucionar seu atendimento? Então, vamos conversar! Clique aqui e comece a levar seus serviços para ainda mais pessoas.

Siga a TME no Instagram e curta a página no Facebook! Nossas redes estão abertas para conversar e esclarecer qualquer dúvida sobre assuntos relacionados a saúde.

Compartilhe esta publicação.

Por Paulo Miranda Filho

Médico, diretor de crescimento na TME, professor de empreendedorismo no MBA Health do BBI of Chicago, Gestão de TI (FIAP) e Especializando Gestão de Negócios (FDC).

0 0 votes
Avaliar Post
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments